Notícias

Compra de fatia do Nubank por chinesa pode ser má notícia para Cielo e Pagseguro

por Notícias às 15:28 de 10/10/2018 em Mercado de Cartões

Fonte: INFOMONEY/SÃO PAULO

Cielo, Pagseguro e outras adquirentes que se cuidem (ou se renovem): a Tencent vem aí. Este é o recado que os analistas do Itaú BBA passaram a investidores nesta semana, após o anúncio de que a gigante chinesa comprou 5% do Nubank.

Além de aumentar o valuation da unicórnio brasileira para US$ 4 bilhões, a parceria pode criar uma nova frente de ataque para a empresa. Até agora, o Nu tem como principal produto um cartão de plástico, e a maior parte de sua tecnologia gira em torno de melhorar este produto. Mas a Tencent é justamente uma das maiores disseminadoras de meios de pagamento muito menos palpáveis – e com muito mais “cara de futuro”.

Líder da revolução dos meios de pagamento na China junto com a Alibaba, a Tencent não dá ponto sem nó. O grupo é controlador de empresas como WeChat, Tenpay, Riot Games e QQ Games. Todos eles, de alguma maneira, se transformaram em máquinas de fazer dinheiro via plataformas móveis.

"Life in plastic"?

O próprio Nubank sabe que produtos de plástico são "old news" e deixou no ar a possibilidade de criar produtos ainda mais disruptivos com apoio da chinesa.

"O Nubank foi criado para ser uma alternativa para o tão concentrado sistema bancário brasileiro, devolvendo pras pessoas o controle sobre o próprio dinheiro", disse o CEO David Velez na ocasião do investimento. "Como o nosso objetivo é expandir cada vez mais o nosso alcance e ter um produto para cada brasileiro, esperamos aprender muito com a experiência da Tencent na China", complementou.

E quando as pessoas fazem transações financeiras diretamente através de seus celulares, especialidade da Tencent, elas não precisam de maquininhas de pagamentos ou redes de cartões.

Invista em ações de empresas disruptivas em uma corretora disruptiva. A Clear oferece CORRETAGEM ZERO clicando aqui.

“Investidores podem interpretar essa transação como um passo na direção de uma revolução semelhante no Brasil, com potenciais impactos negativos a adquirentes listadas no futuro”, escreveram os analistas do BBA.

Ainda assim, os mesmos analistas recomendam compra para a ação PAGS e mantêm neutralidade para CIEL3. Na bolsa norte-americana, a ação da dona da Moderninha desaba 7,55% nesta quarta-feira. A Cielo, listada na bolsa brasileira, sobe 1,46% mesmo com a queda de quase 2% do Ibovespa.

Vale lembrar que os novos meios de pagamento não são a única ameaça a adquirentes brasileiras. Nos últimos meses, a emergência de nomes como Stone, SafraPay, POP Credicard, Sumup e SuperGet vem pressionando adquirentes mais antigas a diminuírem suas taxas ao limite para atrair novos nichos de mercado. A corrida ficou conhecida como “guerra das maquininhas” e deve ver novos capítulos com a emergência de novos formatos de pagamento – quer o Nubank participe ou fique fora do movimento.